terça-feira, 1 de março de 2011

figura de palavras: vida (1)

esqueletos polidos
poliedros
ecos de diamante
esta face é um sinal
um sinal
esta face
heliotropias espelhos espectros
nuvens convexas como dedos
estalidos de dedos
esta face é um espelho
e um sinal
poliedro polieco
vacante de espaços
armários onde o sol
não chega para a desova
diurna
urna esta face o sinal
fechado no sobretudo violeta
um corpo
um corpo
a água se represa na minúcia
e lacrima no olho
desordens centopéias centauros fingidos
fogos de palha tempestades
no copo
um cemitério de fosfóros riscados
piróvagos

a palavra é isto vulva
de cadela úvula
vibrante de som

migranas fantasmagorias
um gosto de escarlate
nas narinas

a palavra pode isso
tudo pede
isso tudo

perde isso tudo papilas
amônia precipitada harmonias
contactos
pupilas

a palavra

amor êxtases emulsões
sinuosidades constelantes
nus

sob lentes grossas
sob uma ducha de nitrato de
prata



(do Signantia, de Haroldo de Campos.)

Nenhum comentário: