quinta-feira, 18 de março de 2010

Edital do MinC provoca protestos de intelectuais

Recebi:

"Um edital de apoio do Ministério da Cultura (MinC) está causando protestos no meio intelectual. Trata-se do Edital de Periódicos de Conteúdo Mais Cultura, lançado em 30 de setembro, e que teve 26 publicações habilitadas no último dia 19 de fevereiro. Dessas, apenas 4 serão escolhidas
O edital destina-se a abastecer bibliotecas públicas, Pontos de Cultura e de Leitura com publicações de natureza cultural (literária, musical, de artes plásticas). Para tanto, vai destinar-lhes R$ 2,1 milhões. Acontece que, entre os selecionados, estão a "Rolling Stone", "Caros Amigos", "Brasileiros", a "Piauí", "Le Monde Diplomatique" e a revista de inglês "Speak Up", o que levou concorrentes não habilitados a protestarem contra os critérios do edital. Publicações de grandes grupos editoriais, como a "Bravo!", também tentaram a seleção (sem sucesso).
Diversas revistas alternativas importantes, a maior parte de literatura, e que penam horrores para chegar a parcos leitores, não foram habilitadas. A falta de apoio tem vitimado várias, caso da "Ontem Choveu no Futuro", de Campo Grande, que só teve um número; a "Entretanto", do Recife; a "Babel", de Santos; a "Etcetera" e a "Oroborus", de Curitiba, e a "Pulsar", do Maranhão.
Outras, como a "Polichinello" do Pará e a "Azougue" e a "Inimigo Rumor", do eixo Rio-São Paulo, resistem a duras penas. Uma das que saem aos trancos e barrancos (é apoiada por programa da cidade de Londrina, no Paraná) é a "Coyote", publicada há 8 anos (sai esta semana a número 20). Ela foi desabilitada pelo edital por não possuir assinaturas individuais. Um dos seus editores, Rodrigo Garcia Lopes, está frustrado com o resultado.
"O edital privilegia revistas comerciais, que estão no mercado, e acaba inviabilizando revistas de conteúdo realmente cultural, de criação. Será que a 'Rolling Stone', a 'Speak Up' e uma revista como a 'Piauí', que têm uma infraestrutura por trás, um instituto, realmente precisam de incentivo fiscal? É como se fizesse uma política agrária para o latifúndio e deixasse o pequeno agricultor morrer à míngua. Isso é um erro terrível, num governo popular e democrático como este."
Marcio Seidenberg, do grupo que edita a "Ocas", disse que só soube que a publicação não tinha sido habilitada um dia antes de poder entrar com recurso. A revista é vendida nas ruas e bares. "Não sei exatamente qual é a função do edital, se é levar publicações alternativas às bibliotecas ou revistas consagradas", ponderou. O MinC informou que pretende reavaliar o edital numa próxima edição, mas manteve a decisão da comissão julgadora. Também estuda ampliar o volume de recursos para o edital.
(Agência Estado)"

quinta-feira, 11 de março de 2010

tomaztadeu.net/?m=200904

E. E. Cummings

só a mão disse ele
(ó não disse ela
uma vez disse ele)
delícia disse ela

(posso tocar disse ele
quanto disse ela
bastante disse ele)
por que não disse ela

(então vamos disse ele
não muito longe disse ela
onde é muito longe disse ele
onde tu estás disse ela)

me deixa ficar disse ele
de que jeito disse ela
deste jeito disse ele
se beijares disse ela

um pouco mais disse ele
se for amor disse ela)
se quiseres disse ele
(mas me matas disse ela

mas é vida disse ele
mas tua mulher disse ela
agora disse ele)
ai disse ela

(é demais disse ele
quero mais disse ela
ó não disse ele)
devagarinho disse ela

(gggozas?disse ele
ummm disse ela)
és divina!disse ele
(és Meu disse ela)